Como preparar o seu negócio para a reabertura do comércio

Após alguns meses de incertezas em grande parte do mercado, parece que agora os empresários começam a visualizar perspectivas mais positivas para o futuro dos seus negócios. Em alguns estados brasileiros, já se deu o início ao processo de abertura do comércio. Em outros, esse movimento deve acontecer em breve.

Sabemos que os impactos desse momento delicado geraram reflexos econômicos no país que podem demorar anos para ser totalmente superados. Diferentes setores da economia e organizações empresariais sofrem com a baixa demanda e os desafios financeiros para superar.

Com o isolamento social, grande parte do mercado corporativo aderiu ao sistema de trabalho em home office. Mas algumas atividades ficaram totalmente prejudicadas em razão da impossibilidade de exercer seus negócios na modalidade à distância.

Preparamos este post com o objetivo de montar um panorama completo com as principais informações a respeito da abertura gradual do comércio nos estados brasileiros. É importante destacar que cada região tem regras distintas, razão pela qual é essencial consultar a legislação aplicada ao seu negócio.

Aqui, apresentamos um panorama geral, que servirá como ponto de partida para você começar a organizar seu negócio para a abertura do comércio. Acompanhe!

Protocolos de segurança e higiene

O especialista em doenças infecciosas, Preeti Malani, em entrevista ao The New York Times, destaca que é muito complexo criar um plano único de reabertura. Afinal, cada negócio e região têm suas particularidades.

No Brasil, um país com proporções continentais e com muitas diferenças culturais, além de índices de disseminação bem desiguais, esse fator se torna ainda mais relevante. Entretanto, alguns protocolos servem como base para a estruturação das ações de reabertura de comércio, e o primeiro plano envolve questões de segurança e higiene.

Além de aumentar o rigor na limpeza do ambiente de trabalho e orientar os colaboradores acerca de políticas de higiene protetivas, é obrigação da empresa estabelecer regras claras e práticas para o o dia a dia. Confira, a seguir, algumas delas!

Mantenha uma rotina rigorosa de higienização do ambiente

A orientação é que as empresas e comércios intensifiquem as ações de higienização dos ambientes. Ou seja, é necessário aumentar a frequência da limpeza e desinfecção das superfícies e objetos que são tocados pelas pessoas. A limpeza pode ser feita com água e sabão ou álcool. Lembre-se de ter uma atenção especial às maçanetas, telefones, teclados, máquinas de cartão, balcões, corrimões e máquinas de uso pessoal.

A dica é que a empresa crie um espaço exclusivo, no qual os colaboradores possam chegar e já dar início ao processo de higienização. No local, disponibilize uma área para a guarda de objetos pessoais, que devem, preferencialmente, ficar acondicionados em sacos plásticos.

Ofereça álcool em gel para desinfecção das mãos e medidas para a higienização dos sapatos. Esta pode ser feita com tapete especial desinfetante ou com borrifador de álcool gel. Certifique-se de que todos os seus colaboradores criem o hábito de manter uma rotina rigorosa de higienização pessoal e de cuidado com o ambiente.Ainda, segundo orientações dos especialistas, os banheiros devem ser limpos de hora em hora.

Crie uma escala de trabalho para os funcionários

A principal regra é manter o distanciamento. Por isso, na medida do possível e considerando o decreto vigente na sua cidade ou estado, uma solução eficaz é a criação de escalas de trabalho para os funcionários.

Quanto menor o fluxo de pessoas, maior será a segurança — tanto dos colaboradores quanto dos seus clientes.

Monitore os clientes e colaboradores

A partir de agora, e por um bom tempo, será necessário dar uma atenção especial aos seus clientes e colaboradores. Por isso, a recomendação é que, se for possível, a empresa utilize termômetros sem contato físico para aferição da temperatura de quem entra no estabelecimento.

Todos que estiverem com temperatura corporal acima de 37,3°C e/ou com sintomas de gripe (tosse, coriza, dores no corpo, dores de garganta etc.) devem ser orientados a retornar para a sua casa e buscar um atendimento especializado.

Outra dica interessante é manter uma quantidade de máscaras descartáveis disponíveis. Elas podem ser oferecidas para aqueles clientes que eventualmente chegarem na sua empresa sem a proteção.

Faça marcações de distanciamento

Como mencionamos, o distanciamento é um grande aliado na redução da propagação do vírus. Por isso, manter a distância é uma ação muito eficiente e altamente recomendada pelos especialistas. Com as marcações de distanciamento no chão, é possível reduzir o contato físico e contribuir para a mitigação das contaminações.

Ofereça aos colaboradores máscaras e equipamentos de segurança

Além do distanciamento social, outra medida efetiva é a proteção individual por meio do uso de equipamentos, como as máscaras de proteção. De acordo com orientações da Organização Mundial da Saúde, as empresas devem garantir a disponibilização de máscaras faciais no ambiente de trabalho. O descarte delas também deve ser feito em lixeiras fechadas.

As empresas devem dar atenção a esse cuidado, oferecendo e orientando os colaboradores quanto ao uso correto do item de proteção. Vale destacar que a máscara deve ser feita nas medidas corretas para o rosto da pessoa, sendo imprescindível que ela cubra totalmente o nariz e a boca e não deixe espaço nas laterais.

O uso incorreto leva à ineficiência. Por isso, lave as mãos antes de colocar e após a sua retirada e, em hipótese alguma, manipule a máscara durante o uso. Ela é fator de proteção, mas também, pode oferecer grande risco para contaminação, caso seja manipulada de forma inadequada.

Incentive a desinfecção frequente das mãos

Sabemos que as mãos tocam muitas superfícies, por isso, podem ser facilmente infectadas. Assim, a dica é: evite tocar o rosto sem antes higienizar as suas mãos.

Contaminadas, elas podem transferir o vírus para os olhos, nariz ou boca muito rapidamente. Espalhe recipientes de álcool em gel pelos ambientes e se certifique de que os funcionários criem o hábito de realizar uma higienização frequente.

Siga uma boa higiene respiratória

Também é necessário certificar-se de que os colaboradores e clientes adotem uma boa higiene respiratória. Ela inclui cobrir a boca e o nariz com a parte interna do cotovelo ou lenço quando tossir ou espirrar, além de utilizar as máscaras de proteção, cobrindo totalmente o nariz e a boca.

Mantendo uma boa higiene respiratória, além de proteger a si mesmo, você também resguarda todas as pessoas que estão no seu entorno.

Espalhe placas de orientação

Por fim, outra boa prática que deve ser adotada pelas empresas durante a abertura do comércio é a disseminação de informação. A dica é espalhar placas de orientação pelo seu negócio, alertando e lembrando os funcionários e clientes quanto à necessidade de se manter atento e protegido.

Vale lembrar da utilização correta das máscaras, das boas práticas de higiene respiratória e da importância de manter a desinfecção frequente das mãos. Estabelecer políticas de higiene protetivas para os colaboradores e clientes é uma etapa fundamental na proteção, educação e incentivo ao cuidado coletivo.

Decretos e normas

O empresário deve traçar estratégias e ações com base no cenário em que ele está inserido e nas particularidades do seu negócio. Além disso, é essencial considerar as normas e decretos aplicáveis a sua empresa. Aqui, a recomendação é que avalie minuciosamente o regramento da sua região e os requisitos específicos que possam ser aplicados ao seu estabelecimento.

Por exemplo, em algumas cidades, existem limites específicos quanto à redução da capacidade de atendimento de salões de beleza e restaurantes. Conhecer e aplicar de forma adequada as regras reduz o risco de sofrer com eventuais multas decorrentes de uma fiscalização.

Ainda, a Organização Mundial da Saúde tem publicado e atualizado suas orientações de forma recorrente, inclusive no que tange a reabertura do comércio. Dessa forma, recomenda-se ao gestor consultar as orientações e notícias no site da OMS.

O Ministério da Saúde, comandado pelo Governo Federal, também mantém uma plataforma com dados e orientações específicas para retomada das atividades com segurança.

A seguir, as orientações gerais, que podem ser compartilhadas com seus funcionários e clientes como forma de divulgar e educar a respeito das boas práticas de segurança e proteção individual e coletiva.

Orientações gerais

Como você pode ver, algumas orientações de segurança e saúde já vêm se tornando parte da nossa rotina. Mesmo para quem está trabalhando em casa, o cuidado com o uso da máscara e a desinfecção frequente das mãos é um hábito que foi construído nos últimos meses.

Sabemos que cada caso deve ser analisado de forma individualizada. As regras gerais podem ser aplicadas, desde que não estejam em desacordo com os decretos municipais e estaduais.

A preparação para a retomada demanda planejamento e deve envolver todos os profissionais e setores da empresa. Em organizações de maior porte, áreas como a de estoque e logística, por exemplo, devem ter cuidado redobrado com o manuseio de produtos e mercadorias.

Empresas que trabalham diretamente com o cliente, ou seja, têm contato físico direto, podem pensar em medidas de comunicação e adaptação do negócio, investindo em venda online e oferta de serviços de entrega. Falaremos um pouco mais sobre isso, nos próximos tópicos.

O que o empresário precisa saber é que pequenas práticas e adaptações vão fazer toda a diferença na proteção e cuidado com a saúde dos seus colaboradores e clientes.

Orientações específicas por segmento

Elencamos, a seguir, algumas orientações gerais direcionadas para segmentos específicos. O setor de alimentação, por exemplo, demanda cuidados rigorosos com os protocolos de higienização e desinfecção.

Em todos os casos, você deve se lembrar de levar em consideração o decreto de funcionamento em vigor na sua região. Caso encontre divergência entre os decretos municipais e estaduais, opte por seguir a orientação mais rigorosa.

Alimentação — restaurantes e bares

Além de todas as orientações gerais que incluem, entre outras, o uso de máscara, a desinfecção frequente das mãos e superfícies e a verificação da temperatura corporal, os restaurantes e bares devem dar atenção aos seguintes cuidados:

  • mantenha uma entrada de serviço separada, evitando que clientes e colaboradores transitem simultaneamente pelo mesmo acesso;
  • distribua desinfetantes de mãos em locais de destaque no trabalho;
  • reduza a capacidade de atendimento do estabelecimento, criando um espaço mínimo de um metro entre as cadeiras e dois metros entre as mesas;
  • faça marcações no chão, promovendo o distanciamento mínimo de um metro entre pessoas nas filas de entrada do restaurante e de pagamento. Se possível, evite que elas se formem;
  • os guardanapos devem ser oferecidos ao cliente em dispensers totalmente protegidos. Evite guardanapos de tecido;
  • repense seus cardápios, evitando o compartilhamento de menus físicos, que geralmente são manuseados por muitas pessoas;
  • desinfecte pratos, copos e colheres oferecidos ao cliente com a devida proteção.

Beleza e estética

Os profissionais do ramo de beleza e estética devem estar cientes da sua parcela de responsabilidade na redução do risco de disseminação do vírus, respeitando todos os protocolos e orientações da OMS. Entre as práticas recomendadas para os salões de beleza e estética, destacamos:

  • organize a recepção, oferecendo medidas de higienização das solas de sapato e álcool 70% para higienização das mãos;
  • solicite ao cliente que ele utilize máscara;
  • ofereça opção de compra de máscara no salão;
  • oriente para que o cliente não leve acompanhantes;
  • ofereça atendimentos exclusivamente com hora marcada, evitando filas e espera;
  • a cada atendimento, realize a limpeza e desinfecção dos utensílios utilizados com o cliente anterior, inclusive cadeiras, bancadas e macas;
  • para desinfecção, utilize toalha descartável, que deve ser imediatamente descartada após o uso;
  • sempre que possível, mantenha a circulação de ar, deixando portas e janelas abertas;
  • evite o toque manual em puxadores e maçanetas.

Vestuário e acessórios

O ramo de vestuário também tem algumas especificidades, como a possibilidade de provar as roupas em provadores. Algumas mudanças devem ser consideradas, a fim de adaptar seu negócio à nova realidade.

Além de todas as orientações gerais que já mencionamos até aqui, os lojistas que atuam no segmento de vestuário e acessório devem considerar:

  • faça a limpeza e desinfecção total da loja, incluindo vitrines, araras, mesas ilhas, provadores e qualquer outra área em que ocorre contato direto com público;
  • apesar de não existir um estudo conclusivo a respeito, use vaporizadores em todos os produtos têxteis que tiverem contato com clientes, conforme orientações;
  • revise o layout da loja, reservando um espaço para acondicionamento de itens pessoais dos colaboradores;
  • oriente o seu colaborador para que ele leve o mínimo possível de objetos para o ambiente de trabalho;
  • forneça sacolas plásticas para acondicionamento dos pertences dos funcionários;
  • instale barreiras de vidro, plástico ou acrílico nos caixas, favorecendo a criação de uma barreira física entre os funcionários e clientes;
  • sempre que possível, promova a ventilação da loja, preferencialmente por meio da abertura de janelas e portas. Evite o ar-condicionado, se for possível.

Cada segmento deve se adaptar de acordo com as suas particularidades. A dica é pesquisar boas práticas do seu setor, sempre levando em consideração os dispositivos legais vigentes no seu estado ou município.

Oriente suas equipes e promova treinamentos contínuos, garantindo o alinhamento das ações e a criação de bons hábitos entre os envolvidos. Outra dica bacana para o empresário do ramo é investir em vendas online.

Nesse caso, o ideal é ter um bom mix de produtos para diluir o preço do frete entre os itens adquiridos. Além disso, vale a pena ter uma política de trocas eficiente, porque isso traz mais segurança na hora de o comprador fechar negócio.

Outra estratégia que traz resultados é investir em fotos de qualidade e boas descrições. Por exemplo, determine o tecido, a cor da roupa, as medidas e os detalhes de cada item. Isso evita compras erradas devido à falta de informação sobre as características das peças.

Aquisição de oportunidades e adaptação

Deu para notar que a abertura do comércio é um movimento que deve ser planejado e estruturado, considerando as particularidades de cada segmento e as recomendações específicas da região.

Vale destacar que, além de abrir o seu negócio e voltar a receber clientes, é de suma importância considerar a adaptação da sua empresa. Promova pequenas mudanças que podem contribuir para o incremento das suas vendas.

Entre elas, vale mencionar a promoção de vendas online, via redes sociais, uma prática eficaz e que cresceu de forma exponencial nos últimos meses. Além dessas plataformas, vale a pena investir em aplicativos de comunicação, como o Whatsapp e o Telegram.

Existem várias oportunidades de venda online. Primeiro, você precisa entender quais meios podem ser usados para isso. O mais tradicional é a loja virtual. A ideia é disponibilizar seus produtos nessa plataforma e você faz todo o gerenciamento de estoque e pedidos de forma digital.

Outra possibilidade são os marketplaces. Nesse caso, você usa uma plataforma pronta para divulgar seus produtos. Os pedidos podem ser recebidos dentro desse site e o pagamento também é realizado por meio dessa solução. No entanto, é preciso pagar uma comissão sobre a venda efetivada. Esse é o caso do Mercado Livre, o exemplo mais conhecido.

Para os pequenos comércios e as tradicionais lojas de bairros, oferecer o serviço de tele-entrega grátis pode ser um diferencial que vai atrair a atenção e a simpatia dos seus clientes.

Ainda, vale destacar que, com vendas online, o empresário consegue trabalhar com um estoque mais reduzido. Assim, otimiza a infraestrutura física e as operações se tornam mais dinâmicas, e têm o seu custo encolhido.

Se você deseja começar a vender em plataformas online, fique atento às políticas de pagamento. Estabeleça e siga diretrizes específicas, a fim evitar o risco da inadimplência.

As vendas pela internet também devem seguir diretrizes para evitar a falta ou o atraso do pagamento. Para isso, é preciso ter políticas de crédito bem delimitadas. Defina quais vão ser os métodos de pagamento aceitos e oriente o seu cliente acerca das regras e particularidades das vendas não presenciais.

Checklist

Por fim, preparamos uma checklist geral que vai ajudar você na retomada segura das atividades. Adote boas práticas de segurança, proteja seus colaboradores, colegas e clientes:

  • entenda quais são os critérios e especifidades de segurança aplicáveis ao seu negócio;
  • imprima cartazes e placas de orientação e espalhe pelas áreas de fluxo de pessoas na sua empresa;
  • distribua dispensadores de álcool 70% nas áreas de acesso e de circulação de pessoas;
  • ofereça tapete higienizador na entrada ou proteção específica para calçados;
  • oriente os seus funcionários com relação a todas medidas de segurança e proteção;
  • crie uma rotina e processos de higienização do ambiente;
  • estabeleça protocolos rigorosos para os seus colaboradores;
  • instale barreiras de vidro, plástico ou acrílico nos caixas, favorecendo a criação de um obstáculo entre os funcionários e os clientes;
  • mantenha um estoque de máscaras disponível para venda;
  • reduza a capacidade de atendimento do estabelecimento, sempre que possível;
  • faça marcações no chão, incentivando o distanciamento social;
  • sempre que possível, busque alternativas que minimizem a aglomeração e o contato físico entre as pessoas.

Como você pode ver, a retomada segura das atividades é um processo que deve ser pensado de forma inteligente. É preciso levar em consideração a proteção e a saúde de todas as pessoas que vão manter contato em razão das suas atividades.

Os gestores são responsáveis pela recuperação das empresas considerando o cumprimento da legislação municipal e estadual. Por essa razão, devem estar atentas a ela, evitando descumprimentos que podem ensejar a aplicação de multas pela fiscalização.

Lembre-se de considerar, sempre que possível, a possibilidade de adaptar a sua empresa à nova realidade. Promova mudanças nos canais de venda, oportunizando ao seu cliente realizar compras via aplicativos e redes sociais.

As vendas online cresceram de forma exponencial nos últimos meses e representam uma excelente forma de reduzir o contato social e aumentar a segurança dos seus clientes e colaboradores.

Estas são as principais informações e orientações a respeito da abertura gradual do comércio nos estados brasileiros. Promovendo o compartilhamento de conteúdo e informações relevantes, todos se mantêm mais seguros e protegidos, tanto sob a perspectiva da saúde física quanto da saúde empresarial e econômica.

Você já está preparado para a abertura do comércio?


Fonte: Serasa